INÍCIO . RESENHAS . PERFIL . TOP 5 . +LITERAR
CRÔNICA DO DIA . AGENDA

Informações

Este artigo foi escrito no dia 21 nov 2014, e pertence à categoria Resenhas.

Tags

, , , , , ,

Resenha: Vale Tudo – O som e a fúria de Tim Maia [Nelson Motta]

Bom demais e de verdade

Lembro-me muito bem de uma vez que fui a um otorrinolaringologista e lá, na sala de espera, tinha uma revista de celebridades estampada com o Tim Maia dando entrada em um hospital, com uma cara péssima. Pouco menos de uma semana depois, a notícia da morte dele chocava a todos aonde chegava. Confesso que eu conhecia pouco sobre ele, mas lembro que era impossível, naquela época, não saber quem ele era e não conhecer, pelo menos, alguns dos refrões das músicas.

DSC05450

Não muito tempo depois, encontrei uma coletânea do Tim entre os CDs do meu pai. Ali estavam muitas das músicas que eu já conhecia e foi onde também descobri várias outras. Esse álbum embalou muitos finais de semana na minha casa e, mais recentemente, uma road trip que eu fiz com meu velho. Enquanto ele empossava a voz em “Hoje o céu está tão lindo”, eu entrava com um coro agudo: “Vai chuva!”.

Há três anos eu li a biografia escrita por Nelson Motta, Vale Tudo – O som e a fúria de Tim Maia. Já cheguei a dizer por aí que se fosse para ser alguém, eu queria ser o Nelson. O cara teve a sorte de conhecer e conviver com todos os meus ídolos, ser bem relacionado, ser chamado para trabalhar como jornalista e produtor artístico sem ter formação ou experiência e ainda é um ótimo escritor. Ele tem um estilo fácil de se ler e conta as histórias como um personagem que de fato participou delas.

Vale Tudo tem uma escrita tão bacana que não dá vontade de parar de ler, sempre há o desejo de saber o que vem em seguida. A obra traz muitas curiosidades sobre o pai do soul brasileiro, desde sua infância até seu último dia de vida. Motta conta do gênio forte, briguento, malandro, da vaidade por conta do seu talento e a falta de vaidade com o físico.

Um detalhe super interessante é a divisão dos capítulos, que, além de ter nomes que remetem ao assunto ou período que vai ser tratado, traz o peso que Tim Maia estava na época, desde seus 60 quilos com os 12 anos de idade até o peso máximo de 142.

DSC05447

Entre os diversos casos legais, o livro conta que Tim Maia não tinha carteira de motorista, mas andava pra baixo e pra cima com um fusca velho, vermelho, sem documentação. Quando era parado por algum policial, se apresentava e presenteava a autoridade com uma capa de seus vinis, autografados. O jeitinho de se safar de problemas passou a ser constante… O fusca acabou pegando fogo em uma ladeira.

Outro conto interessante é sobre a gravação de “Um dia de domingo” com Gal Costa. Os dois eram os artistas mais bem pagos e queridos naquele tempo. A música sairia em um álbum da cantora baiana, mas Tim convenceu o técnico de som de deixar sua voz com mais destaque na gravação.

Além de uma biografia sobre um dos maiores artistas brasileiros, Vale Tudo traça um parâmetro da cultura e sociedade no nosso país, naquele período, além de memórias de outros músicos.

Sebastião Rodrigues Maia foi, sem dúvidas, um exagero! Exagero nos excessos com drogas, álcool e comida; grandioso quando soltava o vozeirão ou até mesmo quando queria se fazer de carente e cantava com uma voz melosa; explosivo, apaixonado, simples e tão complexo. Tudo era demais. E tão bom!

saiba-mais

Vale tudo chegou às telonas neste ano levando o nome do grande artista brasileiro, Tim Maia. Com direção de Mauro Lima, o filme é bem interessante e vale a pena ser assistido, porém nem se compara com a obra de Nelson Motta.

.

literar-valetudo-capaSOM E FÚRIA

Autor: Nelson  Motta
2007, 392 páginas, Editora Objetiva

Onde comprar?
– Saraiva 
– Amazon Brasil
Livraria Cultura
- Livraria da Folha
– Estante Virtual (novos e usados)

.

.

assinatura-fred

.

Comentários

comentário(s)