INÍCIO . RESENHAS . PERFIL . TOP 5 . +LITERAR
CRÔNICA DO DIA . AGENDA

Resenha: A Mulher do Viajante no Tempo [Audrey Niffenegger]

spoiler1

Dizem que boas coisas vem quando a gente menos está esperando. Estávamos eu e minha namorada, outubro de 2009, procurando um filme qualquer para assistir no cinema. Por falta de opção, compramos um par de ingressos de Para Sempre vou te Amar, uma história de romance bobinha sobre encontros e desencontros. Ou pelo menos foi o que eu achei.

Acho que devo começar dizendo que o nome em português tira a maior parte da graça. O título original – que é o mesmo do livro que vou começar a descrever já já – é bem mais interessante: A Mulher do Viajante no Tempo. Já dá pra perceber que existe um fator que faz toda a diferença para a história. Sem mais delongas, vale contar que saí do cinema apaixonado: pelos personagens, pela história, pela Rachel McAdams.

timetravelers02

Adiantando o calendário alguns anos, foi somente no começo de 2013 que criei vergonha na cara e decidi ler o livro que inspirara a película. Já havia comprado o livro há alguns bons 6 meses mas ele ficou naquela de que-medo-do-livro-ser-ruim-e-eu-me-decepcionar! Veio aí a segunda notícia boa: o livro é tão incrivelmente bem escrito que o filme passa a ser mediano.

De forma resumida, a narrativa percorre a vida de Henry e Clare. Henry é o tal viajante no tempo: sem mais nem menos, ele desparece e surge completamente nu em outros momentos da sua linha temporal. Clare é a mulher do título, e é suficiente dizer isso por agora. O que faz essa história de amor banal ganhar ares atrativos é a brincadeira que a autora Audrey Niffenegger faz com o tempo. Clare conhece Henry quando ela tem 6 anos. O problema é que Henry anda na casa dos 40 e já conhece Clare desde seus 28 anos (!). Parece complicado, eu sei, e acho que foi exatamente isso que me atraiu no livro: o poder de transformar uma história bastante complexa em algo palpável e facilmente reconhecível.

O primeiro capítulo traz Clare e Henry se conhecendo no tempo “real”: Clare tem 20 anos, Henry 28. E aí os papeis se invertem: nesse ponto, Clare conhece seu futuro marido desde sua infância, mas Henry não faz ideia de quem é aquela mulher. Nós acompanhamos a trajetória do casal, voltando ao passado e ao futuro durante todo o tempo, dependendo das viagens no tempo de Henry. A história não tem grandes surpresas, já que desde o começo sabemos que vamos chegar ao ponto em que os dois se casam e vivem juntos. Um dos pontos altos é a estrutura da narrativa: ao invés de um narrador onisciente todo poderoso, a narração intercala os pontos de vista de Clare e Henry, em primeira pessoa. Ao invés de transformar a história numa grande monotonia, isso permite que a escritora entre em um aspecto que falta ao filme: a humanidade dos personagens.

timetravelers-quote-s

No filme, Henry aparece quase como o “super-herói viajante no tempo”. No livro, ele é um cara frágil, que sente que seu diferencial é um grande pesadelo. Quando criança, Henry sofre um grave acidente de carro com sua mãe. A mãe morre decapitada e o menino só escapa porque faz sua primeira viagem no tempo e reaparece à beira da estrada. Esse pensamento o assombra durante todo o livro, o “ela morreu por minha culpa e eu deveria ter ido junto“. Clare, por sua vez, não é sempre a mulher companheira e fiel do filme. Ela também erra, duvida e se cansa de esperar por um marido que desaparece no meio de um jantar e demora semanas a voltar. Os personagens secundários também são muito mais intensos: os amigos Charisse e Gomez, o médico geneticista que ajuda Henry a entender sua desordem, a encantadora menina Alba.

timetravelers01

O maior mérito do livro é não cair nos lugares-comuns de histórias sobre viagem no tempo. Não há discussões intermináveis sobre mudar o passado e reescrever o futuro – até porque Henry descobre nas suas viagens que ele não pode interferir no fluxo das coisas – ou universos paralelos que se modificam e intercruzam. É de fato bonito ver Henry falando sobre como vê as coisas, passado, presente e futuro acontecendo simultaneamente, tudo interligado e coexistindo. A história simples de um casal (e suas batalhas para casar, ter filhos, dinheiro, amigos e felicidade) contada de uma forma que eu nunca imaginaria.

Mas não valhe se enganar. O livro é triste, bem triste. As partes mais bonitas vem acompanhadas dos momentos mais tristes, mas é assim que as coisas são. Tenho certeza que, assim como eu, vocês também terminariam o livro sentido que Clare e Henry são velhos – e bons – amigos.

Capa A Mulher do Viajante Ponto de Leitura.inddA MULHER DO VIAJANTE NO TEMPO

Autora: Audrey Niffenegger
Título original: The Time Traveler’s Wife
2003, 546 páginas, Suma de Letras

Onde comprar?
Saraiva
Submarino
Estante Virtual (novos e usados)
Amazon (em inglês)
Book Depository (em inglês)

saiba-mais

- O filme Para Sempre Vou Te Amar foi lançado em 2009, com direção de Robert Schwentke. Claire é interpretada por Rachel McAdams e Henry por Erick Bana. Você pode ver mais sobre o filme no IMDB.

- Além de A Mulher do Viajante no Tempo, a escritora Audrey Niffenegger lançou em 2009 seu segundo romance, Uma Estranha Simetria, editado no Brasil pela Objetiva.

.

assinatura-luiz

.

Comentários

comentário(s)