INÍCIO . RESENHAS . PERFIL . TOP 5 . +LITERAR
CRÔNICA DO DIA . AGENDA

Informações

Este artigo foi escrito no dia 12 jul 2013, e pertence à categoria Top 5.

Tags

, , , , , , , , , , ,

Top 5: Rock ‘n’ Roll

13 de Julho é Dia Mundial do Rock, e a Literar não quer ficar de fora! A gente sabe que há trilhões de livros bacanas, mas separamos as obras mais afinadas para você não deixar passar a data em branco. Aproveita porque é dia de roque, bebê!

top05-header

literar-rock05

#05: Frank – A voz [James Kaplan]

Frank Sinatra não era um roqueiro e a gente sabe muito bem disso, mas que o cara quebrava tudo, ah, ele quebrava! Bem antes de qualquer tiete gritar pelos futuros verdadeiros rockstars, Francis Albert Sinatra já era motivo para filas serem formadas em portas de hotéis e espaços para shows.

A mais nova biografia sobre o cantor traz quase 800 páginas só com os primeiros quarenta anos da vida do ítalo-americano que não levava desaforo para casa.

Além das groupies, as noitadas de sexo e de todas as bebedeiras, Sinatra tinha envolvimento com a máfia italiana e com política norte-americana. Ele era ou não bem rock’n’roll?

.

literar-rock04

#04: Scar Tissue [Anthony Kiedis]

Quem hoje vê aquele rapaz todo saudável e vegano, nem imagina que o vocalista do Red Hot Chili Peppers já passou por uns maus bocados na vida. Em sua autobiografia, Anthony Kiedis conta que recebeu o primeiro cigarro de maconha aos 12 anos de seu próprio pai, que era um traficante, e a partir dali começou um uso abusivo de drogas. Hoje o cara está limpo, mas penou muito para ficar assim.

No livro, Kiedis relata, além de seus problemas (seriíssimos) com drogas, as farras que completam a tríade com sexo e rock’n’roll. A obra chegou ao primeiro lugar na lista de Best-Sellers do The New York Times.

As ótimas composições de Kiedis já embalaram muitas crises adolescentes, namorinhos, novelas da tarde, traduções nas aulas do cursinho de inglês, e por isso merece estar no nosso Top 5 Rock!

.

literar-rock03

#03: Só Garotos [Patti Smith]

Só de olhar para Patti Smith a gente sabe que ela viveu ‘loucona’ por aí. A voz rouca e os cabelos desgrenhados não nos deixam mentir. Conhecida como a “Poetisa do punk”, Patti já morou na rua, dividiu comida com mendigo e até roubou colegas de trabalho. Mas o que garante a ela uma posição no nosso Top 5 Rock é o amor!

A obra conta o período em que Patti viveu com o fotografo Robert Mappletorphe, que, mesmo sendo gay, foi o primeiro amor da vida da cantora. Os dois tiveram uma relação conturbada, mas de muito apoio e amizade.

Antes de Robert morrer, em 1989, infectado pelo vírus da AIDS, Patti prometeu a ele escrever a história dos dois e assim o fez! O livro não é somente uma biografia, mas também uma prova de amor.

.

literar-rock02

#02: The Beatles: A história por trás de todas as canções [Steve Turner]

Há um zilhão de livros falando sobre os Beatles e sobre cada integrante, mas o trabalho de Steve Turner vai direto ao ponto e nos mostra as circunstâncias em que cada música foi feita. Muitas curiosidades e dúvidas sobre as 208 músicas registradas pelos Garotos de Liverpool.

Claro que é ótimo saber como a banda surgiu, como os jovens se conheceram etc, mas também é divertido conhecer a história por trás dos maiores hinos do rock do mundo! A obra é dividida por álbuns, o que facilita achar o que você quer e não obriga a ter uma sequência na leitura.

Beatles tem lugar eterno em nossas cabeças, cabeceiras e coração!

.

literar-rock01

#01: Renato Russo – O Filho da Revolução [Carlos Marcelo]

Renato Russo ensinou para toda uma geração que é preciso amar as pessoas como se não houve amanhã, e o mais bacana é que isso foi passado para frente e até hoje encanta as pessoas. A pesquisa de Carlos Machado traz letras, documentos e entrevistas a fim de desvendar um dos maiores ícones do roque brasileiro.

Líder da Legião Urbana, Renato Manfredini Junior, escreveu sobre tudo o que há para escrever das formas mais bonitas que possam ser feitas: Infância, amor, morte, política, drogas, solidão, homossexualismo, juventude…

Quase 20 anos após a morte – em 1996, em decorrência da AIDS – sua poesia continua atual e as músicas são sempre lembradas nas rodinhas de violão. Renato conquistou a fama de messias, que ele renegava, e nosso primeiro lugar, mais do que merecido.

.

assinatura-todos

.

Comentários

comentário(s)